sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

TORMENTO

Tormento

Na minha cabeça há grande confusão.
Não sei mais o que fazer.
Estou desarmada.

No coração o amor é sufocado pelo ódio.
Na alma o sorriso é substituído pela ferida.
Estou na escuridão.

Um momento feliz e uma eternidade de tristeza.
A vida já não vale mais nada.
A morte seria a melhor solução.

Tudo é melhor que esse tormento.
Tudo é melhor que essa dor,
Que me corroe, que me destrói.

Sou um nada, indigno de piedade,
Sou um lixo, objeto descartável, 
que todos usam e jogam fora.
Necessito de carinho, mas não o mereço.

Talvez, o que eu estou vivendo,
Seja um castigo de nunca ter olhado pra mim,
De sempre querer fazer o melhor e nunca conseguir.

Tentando acertar, muitas vezes errei.
Tentando ser eu, muito me magoei.
Usando máscaras, muitos feri.

A vontade é de tudo para o alto jogar.
Esquecer tudo e deixar o passado para trás,
Mas não tenho forças para isso.

No interior: O sorriso de menina,
A pureza da criança,
O sonho de princesa,
A fragilidade da flor,
A ingenuidade do verdadeiro amor.

No exterior: A mágoa que me destrói,
A impureza do lixo,
A força do ódio,
E a cautela de um coração traído.

Tudo isso é um tormento.
Não sei mais o que sou.
Não entendo mais o que quero.

Não me arrependo de nada do que fiz.
Não quero desistir,
Mas lutar está me destruindo.

Preciso de uma luz,
Estou num buraco sem volta,
Perdida no meio da estrada tenebrosa.
Vivendo num vale de lágrimas,
Onde a única visão que tenho ´
É de dúvidas e destruição.

Hoje, me entrego de corpo e alma ao destino.
Em tuas mãos, coloco o meu coração,
E que se cumpra em mim a vontade de Deus.[E amém!]



https://www.instagram.com/p/BQnxJ3MhHIWLrW0MrHSZDxyfc45Bt5ONNP90oI0/


sábado, 20 de fevereiro de 2016

365 - Estou cansada

Olá  amores, me ausentei um pouco do blog por problemas técnicos, mas aos poucos estarei voltando, estou com muita saudades e publicar!
E tem novidade, muito poema diferente de tudo que já  escrevi, todo esse tempo  afastada trouxe muita coisa, (até o que nunca imaginei).
Por fim hoje trago um poema especial pra vocês! 
Espero que gostem, abraços. 

365 - Estou Cansada

Estou cansada
Meus dedos já  não  suportam mais
Minha mente está cheia
Minhas palavras,
Meus textos
São sempre os mesmos 
Ditos de maneira  diferente 
Sempre falando da tal pessoa
Que me fascina

Cansei
Acabou
Fugiu de mim a inspiração 
Foi embora a criatividade 
Cansei dos versos
Ausentei o meu dom
Cansei de ser como antes
Acho que nem vou ler
Todos esses livros na estante 

Não  sou mais normal
Minha alegria entristeceu
Não vou mais filosofar 
Vou optar pelos simples menos arrogante
Tudo aquilo já estava repetitivo 
Está  mais do que na hora

Disso não mais escreverei
Agora serei poeta rebelde
E somente quando encontra-lo
Irei escrever sobre ele 

Agora só irei buscar pelo meu íntimo
Talvez tornar-me poeta intrigante
Serei poeta Louca 
Serei poeta Descontente
Só serei poeta Romântica 
Quando encontra-lo novamente 

Enquanto isso
BEM VINDA
NOVA CAMINHADA!


segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

366 ♡

366

Hoje é mais um dia...
E veja só, eu aqui novamente, pensando em você
Esses meses que passaram, simplesmente escorreram pelas minhas mãos
E eu me mantive, no mesmo lugar, só a te imaginar
Você que cansava de me ver pegar aquele ônibus,
Porque nunca mais veio me visitar?
Bastava ligar, eu até faria um café
E te esperaria na calçada pra não chamar

Porém quanto mais os dias se passavam
Mais a esperança ia deixando-me
E tudo que restava, era o que restou de mim
Apenas um pouco de ti,
Aliais, bem pouco de ti....

Sobrou apenas uma música,  uma frase,
Um sorriso e um abraço,
Que já era o suficiente pra deprimir,
Pra cortar os laços com os outros e todos,
E isolar-me em meu quarto escuro

Eu nunca busquei uma explicação, mas me perguntava qual seria a razão?
Porque foi tão inseguro e imaturo?
Pra virar-se e ir, me jogando sem dó
Em um abismo tão longe, longe,  LONGE ATÉ DEMAIS.

E o tempo não ajuda sabia?
O teu silêncio não me trazia paz
E aqui só jaz um enterno desconsolo
Pior que qualquer choro
De quando tocaste em meu violão...

Faz tempo que não te vejo
Tempo que não percebo teu jeito...
- Meu perfume mudou, sabia?
- Meu cabelo cresceu, veria?
- Meu travesseiro não sentia mais o teu cheiro....
E eu pensava....
Será que você ainda é o mesmo?
Com aqueles sorrisos e abraços, piadas e palavras de conforto e afeto?
Ou você mudaste como eu?
E viraste alguém amargo e carrasco,
Que não sabe me amar mais?

Se for assim, digo que o mesmo aconteceu
Que tudo bom em mim, se foi ou morreu
Mas me diga: Você vem?
Eu posso limpar a sala pra você sentar, ou a cama pra você deitar
Posso até trocar as colchas por mais coloridas
Pra esperar suas idas e vindas
Posso ler cada poema que fiz pra você
Que querem expressar o que eu sinto...

Posso te fazer feliz,
O que você diz?
Venha logo...
Faltam pouquíssimos dias pro ano acabar,
E o café já está á esfriar!

domingo, 13 de dezembro de 2015

A droga do meu sentimentalismo! ♡

Olá amores, hoje pareço confusa, mas hoje os meus sentimentos resolveram falar mais alto, sentimentos que absolutamente não combinam entre si, e eu preciso optar por outra maneira de pensar. - Hoje eu merecia um brinde sério! A droga desses sentimentos estão me deixando louca, hora amo, hora odeio, hora quero, hora quero, mas bem longe! Ahhh... esses sentimentos, as lágrimas, a fragilidade, o olhar sincero, ele! Ele é o culpado por todo esse sentimentalismo! - Um poema pra ele, de alguém que o admira, que o quer bem, mas que se encontra em um péssimo estado emocional. - Espero que gostem amores! (Não reparem na confusão) 



A droga do meu sentimentalismo

Hoje queria te escrever,
Mas não queria que esse poema
Fosse apenas mais um,
Dos milhares que já escrevi pra você

Eu queria que este poema
Lhe falasse o que eu tanto sinto
Você que nem sempre está presente
E que me faz falta, - não minto

E parece não adiantar, mesmo que não queira
Para qualquer lugar que eu olhar
Nada consigo ver
Quando tento não pensar
É... eu estou pensando em você

Ahhhh.... Eu tenho que parar!

Eu já me convenci de que o que me estraga
É esse meu sentimentalismo exacerbado
Que eu teimo em meter a droga de coração
Em tudo que eu faço

Preciso dedicar-se menos ao sentimentalismo
E mais tempo a realidade
Preciso pensar mais nas consequências
Pois elas realmente bloqueiam a racionalidade

Tem dias que pareço vã filosofia em gotas
E há dias que sou puro sentimentalismo barato
Pareço perfurar meu coração
Pois em tudo meu amor está ligado

Tudo me faz lembrar o teu abraço
Seja o vento, ou a brisa do mar
Não é preciso de provas...
Tudo me dá motivos para amar

O meu sentimentalismo só aumenta com a saudades
Saudades, que me faz reviver o passado
Me traz memórias que pareciam esquecidas
Que me faz sentir em um triste estado

Eu que vivo assim, com minha ansiedade
Querendo colocar tudo que sinto no papel
Fazendo da poesia o meu único forte
Querendo tornar a dor, em um doce mel

Esse meu sentimentalismo que não me larga
Me traz perguntas sem respostas
Me deixam entre o cravo e a rosa
E eu vejo tudo ali...
Tudo ligado ao amor, so você não nota

Mais o que eu quero que você faça? 
- Que você se obrigue a me amar?
Não, isso seria inadmissível
- Porque eu sei, que as coisas na vida não funcionam assim! 

Porfim, continuo com meu lado emotivo
Com minha confusão
Prefiro ficar quieta, aqui no meu lugar
Apenas com você no meu coração. 


Adrielly D'Paulla

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Opostos [} ♥

Sim, os opostos se atraem! E ainda por cima se distraem! 


Ele era copo cheio
Eu, último gole
Ele era pé de moleque
Eu, Maria mole

Ele era sono pesado
Eu, pura insônia
Ele é amarilis
Eu, uma begônia

Ele era exposição
Eu, apenas arte na rua
Ele é prato gourmet
Eu, comida crua

Ele era até logo
Eu, até amanhã
Ele era jaqueta de couro
Eu, blusa de lã

Ele era cheio de ensinar
Eu, de aprender
Ele é Gregório de Matos
Eu, de Duvivier

Eu era tarde fria
Ele, manhã de sol
Eu sou fá sustenido
Ele, um ré bemol

Eu era longo prazo
Ele, o instante 
Eu sou preto básico
Ele, é cintilante

Eu era o início da cena
Ele, parte final
Eu sou fã de Joy Division
Ele, de Simonal

Eu era mudar pra argentina
Ele, comprar casa no rio
Eu sou de viajar pelo mundo
Ele, pelo Brasil

Eu era calma
Ele, era doidão
Eu sou quieta
Ele, de fazer confusão

Eu era acento agudo
Ele, um u com trema
Sim, os oposto se atraem
Inclusive neste poema!


quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Mulher! ♥

Olá meninas, mulheres! O post que trago hoje é especialmente para nós mulheres, que não devemos se submeter a nenhum homem, que não devemos aceitar nenhuma situação que nos deixem constrangida, não devemos nos calar sob nenhuma brutalidade! Um poema, que em meio as estrofes nos mostram uma realidade, espero que gostem, e que de alguma maneira seja conscientizado, tanto por nós mulheres, quanto por eles, homens!

MULHER

Mulher, tu és livre
Tu não deves se submeter
Não aceite abuso, não tolere acuso
Só por ser mulher

Mulher, tu és única
A beleza que deve proceder
E teu corpo não é modelo
Para o de outra, querer ter

Mulher, cada um é diferente
Mas esse povo não intende
Nem consente
Teu corpo é somente teu
Tu és a única residente

Mas, mulher. Tu assente
Com brutalidade submetida
Que a ti foi desenvolvida
Achas que é o jeito aceitar
E prefere calar
E fica ai
Aguardando o teu fim chegar

Pelas mãos de um homem
Que pode muito bem te espancar
Te estrupar,
Te acusar, te xingar,
E novamente
Você irá calar…

Te liberta mulher
Assume o teu direito
Mostra que somos mais
E que em ti ninguém encosta o dedo

Pensa no teu futuro
É lá que você quer estar?
Depois que ele finge te amar
Consegue o prazer de te ter
Ele volta a te espancar!

Pense!
Repense!
Seja mulher da sua vida!
Ame-se!

domingo, 6 de dezembro de 2015

Incertezas de uma distante Paixão ♥

Olá amigos!! Hoje aproveitei-me de minhas próprias contradições como inspiração desse poema. Procurando um caminho certo, em meio a uma estrada errada, uma razão para tanta confusão, isto é tudo que eu preciso!! Espero que gostem! Boa Tarde!!


Incertezas de uma distante Paixão

Nenhuma semelhança pode expressar
Em meio a frases sem plausibilidade
O meu estado de satisfação
Que é um verdadeiro carnaval
Desde que te encontrei

Nenhuma comparação
É firme o bastante
Como o que sinto
Dentro do meu coração

Nem metonímia ou combinações enganam
O que és tão conhecido pra mim
Nem um grande circuito te revelaria 
A ponto de me deixar mais afim

E de alguma forma nenhum elipse te esconderia
E de maneira alguma te omitiria
Eu te moldo, te tenho
Te possuo, e crio a verdadeira fantasia

Tu és meu conectivo
Minha repetição
É o que quero sentir
Mesmo que seja uma pura confusão

Mesmo que não haja concordância
Que seja o mais puro erro
Ou que surja de uma linda acácia
Só quero que me traga guerra e paz
Durante a noite e o dia

Que me tragas ironia
Que me tragas alegria
E que eu seja uma alma em eufonia
Capaz de não me destruir 
E viva na mais pura harmonia

Pois acabo todos os dias
Me perdendo em linhas
Ou no teu corpo
Porque eu sei
Só ali, me acho em ti!